Queridos amigos, 

Escrevo-vos estas palavras ainda na Quaresma, mas já muito perto da Páscoa. Os nossos corações já se preparam para viver a alegria da ressurreição de Jesus, que só é possível para aqueles que estão dispostos a morrer para o pecado, como Jesus morreu por nós. De facto, é à luz da Cruz de Jesus que faz sentido a Sua ressurreição: Cristo ressuscitado não deixa de ser o Cristo crucificado, marcado pelas chagas, sinais claros da Sua entrega de Amor. É por isso mesmo que quando Jesus aparece a Tomé lhe mostra as suas Santas Chagas. Nelas vemos aquilo por que Jesus quis passar, nelas admiramos a profundidade do Seu amor, nelas somos curados das feridas que o pecado deixa em nós. As suas chagas, mais do que sinais de sofrimento, são registo de amor. E por isso também nós somos chamados a viver intensamente a Sua Paixão, nos sofrimentos e dores, nas contrariedades e dificuldades que existem no nosso caminho. Em vez de fugirmos ao sofrimento, de nos revoltarmos com Deus e com a vida quando algo contraria o que nós tínhamos planeado, devemos transformar cada ferida em sinal de amor. O caminho que Jesus nos indica é difícil, exigente, mas nem por isso menos bonito e cheio de sentido. Aceitando e suportando com humildade e fidelidade a Cruz, receberemos um dia a glória da Páscoa eterna, onde viveremos para sempre junto de Deus, numa alegria que não terá fim. 

Desejo a todos os paroquianos e às vossas famílias uma Santa Páscoa!

Pe. Duarte Andrade e Sousa

messina

Ao utilizar o site Carmoteca, concorda com a nossa política de cookies.